Empresário denúncia vereador do PSC por extorsão em Valparaíso de Goiás


Comerciante alega que foi cobrado 30 mil reais de propina


O vereador Paulo Brito (PSC), aliado do prefeito de Valparaíso de Goiás, Pábio Mossoró (MDB), foi flagrado, em vídeo, cobrando propina de um empresário para fazer “sumir” débitos da empresa na Superintendência de Receita Tributária do município.


O flagrante aconteceu depois da denúncia do proprietário da Funerária Boa Esperança afirmar que fiscais do (Susfim) haviam tentado extorquir R$ 30 mil, ao Vereador Paulo Brito (PSC), alegando irregularidades administrativas no negócio - retirar dos sistemas da prefeitura um débito de R$ 187 mil em nome da empresa-.


"Isso aqui é o que nós tínhamos que negociar, os R$ 80 para poder pagar. Quanto é que você paga em cima disso?”, questionou Paulo Brito ao empresário.

ASSISTA O VÍDEO:



O comerciante Fernando Viana afirmou que seria muito dinheiro e que necessitaria de um prazo para conseguir o valor solicitado, ou que a Prefeitura pagasse os débitos de 80 mil do contrato de concessão que nunca cumpriu como alega o empresário. Ocorrendo isto, ele supostamente daria 10 mil ao Paulo Brito e Gabriela. Inconformado, o empresário se apresentou na Delegacia e formulou denúncia contra os possíveis 3 (três) servidores efetivos da área tributária Prefeitura Municipal de Valparaíso envolvidos como foi citado no vídeo, são eles: Paulo Brito, Gabriela e Bruna, ambos servidores. A Polícia Civil foi acionada e solicitou investigação.


No local e hora combinado para o acerto, o empresário entregou um valor contendo R$ 4 mil a mulher que aparece no vídeo, a fiscal Bruna, para um dos fiscais, más que o Vereador Paulo Brito diz que ela não é a pessoa certa porquê não tem a senha ‘master’, ”só Gabriela tem a senha e mais ninguém”.


Em um dos diálogos gravados, o empresário questiona sobre o risco da superintendente da Susfim, Cléo, atrapalhar a negociação, nesse momento Paulo Brito envolve o prefeito Pábio Mossoró no esquema, informando que o chefe do executivo municipal estaria decidido a exonerar a servidora, supostamente para facilitar o andamento do esquema.


“E quem que vai encher seu saco?”, perguntou Paulo Brito que ouviu do empresário: “A própria Cléo lá ó, foi ela botou esses negócios mais a…” Adiante o político informa: “Não, mas na hora que for…, que for… A Cléo já está saindo, o Pábio já está tirando ela.”


Entramos em contato com empresário Fernando. ” Eu tenho um contrato de monopólio, o município nunca cumpriu meu contrato, o motivo da gravação foi eu ter uma empresa e está cansado de ser extorquido por servidores corruptos que viviam me pedindo propina, por isso eu gravei. Foi a única saída de eu provar como esse município é sujo, e tem outros empresários que também foram vítimas,” disse.


Por População Ativa